quarta-feira, 8 de março de 2017

Homenagem Dia da Mulher


Homenagem 
Dia da mulher


Olá amores, tudo bem aí?
       Hoje vim trazer um pequeno texto meu, publicado no site Social Spirit onde já tenho conta desde muito tempo.
       Sou escritora amadora e adoro escrever contos. Este, fiz muito tempo atrás como homenagem para minha mãe, não é sobre ela, mas sim de uma mulher batalhadora assim como várias mulheres por aí espalhadas e que merecem ser respeitadas não só no dia 08 de março e sim todos os dias de sua vida.
Espero que gostem <3


--

Theresa com S 
Escrita por: Jéssica CH D (Jéssica Deyna) 


           
Êh Theresa! Essa sim é uma mulher de fibra, a negra fazia jus ao nome que possuía. Nascida em uma das favelas do Rio de Janeiro; descendente de africanos, poloneses e portugueses, àquela mistura típica de um verdadeiro brasileiro, Theresa havia acabado de completar seus 40 anos.
            Desde pequena já tinha suas responsabilidades, tantas eram estas que nem ao menos teve a oportunidade de terminar seus estudos. O que convenhamos, não teria feito muita diferença, porque, “Ôh” mulher inteligente!
            Theresa é trabalhadora, todos os dias sai de casa às 5 horas da manhã pera pegar o ônibus e em seguida o metrô, chegando às 8 horas da manhã nas casas das patroas. É diarista, ganha muito pouco pelo serviço que presta, afinal não é nada fácil faxinar casas com grandes cômodos. Também vende pães caseiros e doces e aos domingos vai à praia vender sorvete, ela precisa aumentar a renda, pois têm suas “crias” para sustentar; Isabel (26 anos), Ricardinho (18 anos), Ronaldinho (7 anos) e as netas Luciana e Rita. Ronaldinho não é filho biológico, mas é como se fosse, adotou ele quando ainda era um bebê – é, coração de mãe sempre cabe mais um, mesmo que o bolso grite histericamente.
            Foi mãe aos 14 anos, muito nova, é verdade. Mas não foi porque quis e muito menos aprontou, Theresa era abusada pelo seu padrasto. A mãe dela quando soube, mandou que pipocassem ele – se é que vocês me entendem! -, mas nada adiantou, Isabel é a recordação daquele ato hediondo. Calma, não pense que Theresa despreza Isabel, a mulher sabe que a coitada nada tem a ver com os estupros que ela sofrera, Theresa apagou de sua memória que sua filha também era filha do “capeta”. Que descanse com sofrimento, o miserável! Isabel está desempregada e com duas filhas para sustentar, Luciana de 2 anos e Rita com 8 meses, o pai já está morto – baleado acidentalmente em um assalto, ele era um homem direito -, a menina não consegue emprego de jeito maneira. Sorte que tem uma Theresa para ajudá-la.
            Mesmo sendo uma boa mãe, Theresa sofre com Ricardinho, não é que, mesmo com toda a educação dada pela mãe o bicho começou a se envolver com coisa errada? Seu amigo é o traficante do bairro e Ricardinho está o ajudando a comandar o local. Theresa reza e ora – ela não tem religião, a coitada não tem tempo nem para ir no banheiro despejar suas necessidades, quem dirá ir à igreja! -, todas as noites, pedindo à Deus que o afaste do mau caminho. Mas de nada adianta, ela sabe que terá que enterrar seu filho; “Mas para Deus nada é impossível”, diz sempre que se dá conta do pensamento negativo.
            Enfim, aquela mulher era perfeita demais e bondosa demais, mas sabia ser malvada quando queria.  Se tinha algo que a tirava do sério e fazia dizer palavras de baixo calão, era quando a chamavam de “Terezinha”. O pior é que a criançada do bairro quando a viam passar, iam logo cantando a cantiga que ela não suportava:
- Terezinha de Jesus de uma queda foi-se ao chão, acudiram três cavalheiros, todos eles com chapéu na mão...
            Os moleques sabiam que ela sentia repulsa da música, primeiramente porque ela não era “Terezinha”, ao contrário, ela não tinha nada de “inha”. Theresa era um mulherão, com corpão, cabelão, olhão, bocão, peitão, bundão e até mesmo, narigão. E claro, aquilo não combinava com sua personalidade forte e avassaladora. Segundo, ela lá precisava de homem para se levantar?! Não, Theresa era uma mulher independente, o único homem que precisou na sua vida foi Deus, o único! Nem mesmo o pai de Ricardinho – que durou só uma semana em sua casa -, não ajudou uma só vez. Mulher verdadeira! Mulher que sabe se virar, mulher brasileira!
            Theresa nunca se deixou abater por nada, na verdade a única vez que seus filhos a viram chorar foi quando sua mãezinha, Theresa Maria, morreu. Ela morreu jovem, foi pega pelo câncer de mama e acabou não tratando, o bendito se espalhou pelo corpo e assim, seu único alicerce a deixou. Mas também, foi realmente a única vez que ela chorou, o choro da dor da perda. Nem mesmo com as cólicas menstruais, com as dores na coluna, com o sofrimento do começo da menopausa, racismo e preconceitos – como os famosos xingamentos: “Macaca”, “Você é tão preta que é azul”, “Quer banana? ”, “Não temos roupas com seu número”, “Sua pobre, preta e fedida” - Theresa jamais se abalou ou derrubou uma sequer lágrima, ela os ignora. Santa ignorância, isso porque era ela que havia parado de estudar e se socializar!

- A vida é curta demais para ficar se importando com os leigos e ignorantes, no fim todos nós vamos para baixo da terra mesmo.  – Dizia para si e para Isabel, que também era da sua cor.
            Theresa tinha orgulho de ser mulher, tinha orgulho de ser negra, ela tinha ainda mais orgulho, de ser mãe solteira.

            Êh, Theresa têm muito que viver, mas também que se cuidar. O dia de amanhã só à Deus pertence.
            Theresa é mulher guerreira, mãe amada e acolhedora.
Theresa é bela do seu jeito, é meiga e às vezes, fria. Ela sofreu na vida, mas está de pé e de cabeça erguida.
Ela chorou, sorriu, se despediu, rezou, deixou seu gingado por onde passou. Theresa representa todas mulheres brasileiras, porquê? Porque ela é Theresa!
            Que me perdoe Mário Lago, mas para mim, Theresa que é mulher de verdade!
           

Mas lembre-se, é Theresa com S!

--
E é isso, espero que vocês tenham gostado. 
Não esqueçam de comentar <3
E fica aqui, meus parabéns para todas as mulheres! 
🍭 Beijinhos adocicados!!! 🍭


13 comentários:

  1. Que homenagem linda! “Mas para Deus nada é impossível” Amei demais essa parte!
    beijos www.anneferreirablog.com

    ResponderExcluir
  2. Ah, que homenagem mais linda!
    Concordo com a Anne.

    Beijos!

    www.meumundonofundo.com.br

    ResponderExcluir
  3. Linda homenagem. Me emocionou.
    Beijos!
    www.brincandodeolivia.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Carolina! 💓
      Obrigada por comentar

      Excluir
  4. Que grande Theresa, mulher que representa todas nós é realmente merece uma homenagem linda como essa, parabéns pelo texto!! Feliz dia da Mulher

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Theresa representa a maioria da população feminina 💓
      Obrigada, Anny 💓

      Excluir
  5. Muito bom o texto é diferente, amei, parabens

    ResponderExcluir
  6. Esse texto é um tapa na cara da sociedade, amei demais, você escreve muito bem, que vontade de dar um abraço em sua mãe! Isso que é mulher de verdade mesmo! Lindíssima homenagem!
    Beijos, Gi.
    Blog About Girls

    ResponderExcluir
  7. Theresa representa muitas mulheres brasileiras e pelo mundo a fora. Como eu sempre digo, não precisamos de dia dedicado a nós e sim reconhecimento social pelo nosso papel e importância no mundo. Um abraço e até mais!

    ResponderExcluir